DIMENSÕES DA CULTURA GERMÃNICA EM ITAPIRANGA (SC):O PATRIMÔNIO IMATERIAL E SUA RELAÇÃO COM A IDENTIDADE, A MEMÓRIA E A TRADIÇÃO

  • Douglas Orestes Franzen Douglas Uceff Itapiranga
Palabras clave: Itaparinga, Patrimonio, Memoria

Resumen

O artigo analisa a relação do patrimônio imaterial em Itapiranga (SC) com a prática da identidade, da memória e da tradição, através da sua dimensão com a cultura germânica. Objetiva-se tecer uma análise da formação histórica local relacionando germanidade com as práticas culturais perceptíveis na sociedade. A partir disso se pretende colaborar no debate acerca das potencialidades do patrimônio imaterial como valor de cultura e suas dimensões simbólicas.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Arévalo. J. M. La tradición, el patrimônio y la identidad. Revista de estúdios extremeños, vol. 60, no. 3, 2004, pp. 925-955.

Bauman, Zygmunt. O mal-estar da pós-modernidade. Tradução de Mauro Gama, Cláudia Martinelli Gama. Jorge Zahar, 1998.

Bauman, Zygmunt. Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Zahar Editora, 2003.

Barth, Fredrik. The system of social stratification in Swat, North Pakistan. E. Leach (ed.), Aspects of caste in South India, Ceylon and North-West Pakistan. Cambridge: Cambridge University Press, 1971, pp. 113-146.

Barth, Frederik. Introducción. Los grupos étnicos y sus fronteras, por Frederil Barth, Fondo de Cultura Económica, 1976, pp. 9-49.

Eidt, Paulino. Os sinos se dobram por Alfredo. Argos, 2009.

Eidt, Paulino. Projeto Porto Novo: utopia ou etnocentrismo? Revista Esboços, vol. 18, no. 25, 2011, pp. 184-211. https://doi.org/10.5007/2175-7976.2011v18n25p184

Eidt, Paulino. Porto Novo: da escola paroquial ao projeto de nucleação. Ijuí: Editora Unijuí, 1999.

Gabriel, Ana Paula y Souza, Susana Cecília. “Martin Braunwieser (1990-1991) e sociedades corais alemãs de São Paulo: práticas de repertório europeu”. Anais da Jornada Acadêmica Discente do Programa de Pós Graduação em Música ECA/USP, editores Mario Videira, Ísis De Oliveira, São Paulo: ECA-USP, 2017, pp. 86-97. https://doi.org/10.1590/s1678-53202009000100006

Giustina, Adelina Padilha y Selau, Maurício da Silva. “A culinária como patrimônio cultural imaterial”. Cadernos do CEOM, ano 23, no. 31, 2009, pp. 45-67.

Jungblut, Roque. “Documentário Histórico de Porto Novo. São Miguel do Oeste: Arco Íris Gráfica e Editora, 2000.

Hall, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guaracira Lopes Louro, 7ª edição, Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

Iphan. Patrimônio cultural imaterial: para saber mais. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Brasília: Iphan, 2012. https://doi.org/10.4025/dialogos.v18i3.996

Koch, Bárbara; Woltz, Ana Maria. A simbologia dos trajes alemães e a transposição de seus elementos para moda em festividades típicas. Revista Moda Palavra e-Periódico, vol. 8, no. 15, jan. /jul., 2015, pp. 97-120.

Oktoberfest. História. Site oficial do evento. Disponível em https://oktoberfestitapiranga.com.br/historia/. Acesso em 23/10/2018.

Ruscheinsky, Elena W. “Uma vez” falando em alemão: o uso da variante no português falado em Itapiranga e São João do Oeste-SC. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal Fronteira Sul, 2014, impresso.

Schonart, Marceli. Comunicação e dança: a construção da identidade étnica alemã através dos Grupos de Danças Folclóricos Alemães de Estrela. Anais IX Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sul. Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. Guarapuava, 2008, pp. 1-15. https://doi.org/10.15603/2175-7755/cs.v29n49p229-233

Schneiders, Michele. Macroanálise pluridimensional da variação (Gurke/Kummer) e Pfirsich/Pesch) como indicadores de normatividade e/ou dialetalidade do hunsrükisch. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal Fronteira Sul, 2017, impresso.

Serres, Michel. Variações sobre o corpo. Bertrand Brasil, 2004.

Publicado
2019-11-06